DRE: saiba como organizar o demonstrativo de resultados da sua ótica - Blog - Arquem Automação

Fique por dentro de nossas novidades



Fique por dentro das novidades da Arquem e do setor.

Receba dicas e notícias no seu e-mail.



Clique aqui

DRE: saiba como organizar o demonstrativo de resultados da sua ótica
Blog

DRE: saiba como organizar o demonstrativo de resultados da sua ótica

Postado por Cristiano às 22/05/2019


Um dos principais desafios para as empresas familiares está em conquistar um crescimento consistente. Geralmente, isso ocorre pela baixa adoção de práticas administrativas, que possibilitam aferir a performance do empreendimento. Pensando nisso, elaboramos este artigo para destacar a importância do DRE.

A nossa proposta é esclarecer essa prática fundamental para a gestão da sua loja. Para tanto, organizamos este conteúdo em duas sessões. Primeiro, explicaremos o que é o DRE, para somente então, ensinar como você poderá aplicá-lo na sua empresa. Acompanhe!

O que é o DRE?

Como em toda sigla, primeiro deveremos examinar seu significado: DRE é uma abreviação para Demonstrativo de Resultados do Exercício. Mas em que isso reflete no orçamento de uma ótica? Pois bem, provavelmente, você está familiarizado com o livro caixa da sua empresa, em que se anotam todas as entradas e saídas, garantindo assim, um controle da operação.

O DRE compila todos os valores importantes em um único demonstrativo, entregando uma visão ampla do desempenho financeiro ao longo de um período. Basicamente, esse demonstrativo reúne seis informações fundamentais:

  1. a Receita Líquida;

  2. a Margem Bruta;

  3. a Margem de Contribuição;

  4. o EBITDA;

  5. o Resultado Operacional;

  6. o Resultado Líquido.

Achou esse linguajar muito contábil? Fique tranquilo! Logo ensinaremos o que são e como obter cada um desses resultados. Certo, até aqui você compreendeu do que se trata esse demonstrativo.

Mas afinal de contas, qual a sua importância? Vamos para um exemplo mais lúdico: imagine que você é o médico e a sua ótica é a paciente. O DRE, por sua vez, são os resultados do exame. Para garantir a estabilidade patrimonial e futura da empresa, será necessário diagnosticar suas finanças.

Dessa maneira, com o demonstrativo você passará a enxergar possíveis:

  • deficiências, como em uma baixa cota de investimentos;

  • desperdícios, como na compra de produtos sem giro;

  • exageros, como na má utilização dos recursos.

Como realizar o DRE em 6 etapas?

Esse é o momento para aprender a organizar o DRE da sua loja de maneira simples e eficiente. Apesar de ser uma função contábil, geralmente realizada por um profissional contratado, você mesmo poderá aferir esse demonstrativo em primeira mão, assumindo maior controle sobre o seu negócio. Vamos lá!

Descubra a Receita Líquida

Esse é o primeiro indicador a ser encontrado no DRE, sendo inclusive, um valor estatístico fundamental na análise do seu negócio. A Receita Líquida consiste no resultado do seguinte cálculo: Receita das Vendas menos Deduções e Impostos.

Por isso, para descobrir a Receita Líquida, você deverá identificar:

  • todo o valor gerado pela venda dos seus produtos e prestações de serviços: a Receita das Vendas;

  • todos os valores destinados às despesas e abatimentos sobre o valor das vendas, como descontos e tributos: as Deduções e Impostos.

Depois de apontar esses dois valores no seu DRE, basta realizar a subtração, descobrindo a Receita Líquida.

Encontre a Margem Bruta

A Margem Bruta permite que você descubra quanto da sua Receita Líquida ficou isenta dos custos necessários para prestar seus serviços e vender os produtos. Essa margem é resultado do seguinte cálculo: Receita Líquida menos Custo Variável.

Então, para descobrir a Margem Bruta você deverá identificar:

  • a Receita Líquida;

  • todos as despesas relativas à aquisição de produtos e compras de ferramentas e máquinas para a prestação de serviços: o Custo Variável.

Apontando esses valores no DRE, basta que você realize a subtração e descubra a Margem Bruta.

Obtenha a Margem de Contribuição

Aqui, encontramos o terceiro indicador, que é o responsável pela noção de quanto do faturamento poderá contribuir para o custeio operacional da sua loja. Esse valor é resultado do seguinte cálculo: Margem Bruta menos Despesas Variáveis.

Aqui, identifique:

  • a Margem Bruta;

  • todas as despesas relativas aos gastos paralelos à prestação de serviços ou obtenção de produtos, como taxas de fretes das encomendas e gastos em combustível nos veículos da loja: as Despesas Variáveis.

Repetimos o procedimento: pegue os valores, subtraia e encontre a sua Margem de Contribuição.

Alcance o EBITDA

Novamente, vamos entender a sigla, nesse caso, inglesa: Earning Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization que, traduzindo, remete ao Lucro Antes dos Juros, Impostos, Depreciação ou Amortização.

O EBITDA resulta do cálculo: Margem de Contribuição menos Gastos de RH menos Despesas Operacionais. Por isso, você precisará apontar no seu DRE:

  • a Margem de Contribuição;

  • todas as despesas com o corpo de funcionários, como os benefícios, encargos e salários: os Gastos de RH;

  • todas as contas fundamentais à operação da loja, como os gastos com energia elétrica, água, internet, telefonia, TV e afins: as Despesas Operacionais.

Com os valores descritos no DRE, realize a subtração e alcance o EBITDA da sua loja.

Chegue ao Resultado Operacional

Aqui, estamos quase no final do DRE. Nessa etapa, você descobre o Resultado Operacional, que é o montante que demonstra o faturamento da sua loja, antes do impacto tributário. Esse indicador é descoberto por meio desse cálculo: EBITDA menos Depreciação, Amortização e Exaustão menos Despesas e Receitas Extras.

Agora, vamos aos itens a serem identificados:

  • o EBITDA;

  • todo o valor calculado e separado para prover a substituição de maquinários e ferramentas da sua operação em função do tempo, como os computadores, móveis e afins: a Depreciação, Amortização e Exaustão;

  • todos os valores destinados aos juros, multas, taxas de câmbio  em caso de importações  e outras saídas e entradas não contabilizadas: as Despesas e Receitas Extras.

Repete-se o processo já familiar: indicadores, subtrações e pronto, encontra-se o Resultado Operacional!

Descubra o Resultado Líquido

Por último, e curiosamente mais importante, você chega no indicador principal do DRE, encontrando o Resultado Líquido da sua operação. Com esse valor, você estará preparado para as tomadas de decisão, identificando o faturamento da sua empresa após todos as deduções possíveis.

Esse indicador será descoberto com o cálculo: Resultado Operacional menos Tributos. Para descobrir o Resultado Líquido, identifique:

  • o Resultado Operacional;

  • todos os valores destinados ao pagamento de tributos, como Imposto de Renda de Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, respectivamente IRPJ e CSLL.

Pronto! Realizada essa última subtração, você terá completado o seu demonstrativo e descoberto o seu faturamento final.

Como você pôde perceber, o DRE é fundamental na manutenção do seu negócio. Mas a fórmula do crescimento não se resume a isso! Na realidade, uma das melhores maneiras de alavancar a sua ótica é contando com soluções tecnológicas, como o software da ARQUEM para agilizar a sua gestão.

Além disso, somos pontuais: as nossas soluções não têm nenhum segredo para sua utilização, pois as desenvolvemos especificamente para o cotidiano das óticas, entregando uma interface intuitiva pela qual você poderá controlar o estoque, analisar estatísticas, acompanhar o crescimento do negócio e aperfeiçoar suas decisões.

Agora que você conhece a importância do DRE para o seu estabelecimento, já pode entrar em contato com a nossa equipe e escolher a melhor solução para a gestão da sua ótica!


#DRE #Otica #Resultado

Comentários